Um bate papo


1- Você acha que esse vocabulário influencia na vida das pessoas?

 

 

O domínio desse vocabulário diferencia o gestor empresarial internacional do “paroquial”; portanto, é uma questão de querer agilizar a carreira ou não.

 

2- Esse vocabulário pode ser usado a qualquer momento ou tem uma hora certa? Quando é e não é adequado?

 

Em princípio, o uso desse vocabulário pode, ou melhor, deve ser usado na comunicação empresarial sobre objetivos, estratégia, software gerencial e monitoramento de desempenho. Não é recomendável o uso, quando não se tem certeza da unificação de interpretação dos termos. 

 

3- Por que ficou muito comum e também tornou-se importante usar estas expressões?

 

Grande parte das práticas modernas de gestão corporativa é desenvolvida nos EUA. Consequentemente, o inglês norte-americano se tornou o idioma técnico no mundo dos negócios. Por sua vez, a internacionalização dos negócios sugere o uso de uma linguagem universal que, por conveniência, é o inglês.

 

4- Hoje, a língua inglesa é praticamente imprescindível para qualquer área. Para os setores aqui citados de Gestão Corporativa, Vendas, Finanças, etc...nem se fala. Isso quer dizer que quem trabalha neste ramo, já vê necessidade em falar uma segunda língua? Como você enxerga este requisito no mercado?

 

Um dos requisitos básicos na contratação de futuros gestores é o domínio do inglês. Primeiro, porque é visto como evidência de mente aberta. Segundo, por que as atividades das empresas estão se internacionalizando cada vez mais. Terceiro, o uso dos termos técnicos aqui listados ganha um raio de aplicação maior, na medida em que o profissional saiba inseri-los no idioma inglês como um todo.

 

5- Pode-se entender que quem não está por dentro dessas expressões usadas, irão ter dificuldades em se comunicar (reuniões, eventos) e conseqüentemente ficarão fora do mercado?

 

Não é uma questão de estar dentro ou ficar fora, mas uma questão de subir na carreira ou não. Aqueles que pretendem participar ativamente em reuniões e processos decisórios gerenciais não devem abrir mão desta capacitação. Quem não quer ou não pode entrar neste jogo, no mínimo vai ter que se conformar com uma carreira limitada.

 

6- Quais cuidados devem ser tomados?

 

Não tente enganar – não há opção: ou você domina ou domina tais termos (“não jogue boliche”). Busque saber qual a interpretação oficial dos respectivos termos – tanto fora como dentro da organização. Não hesite em mostrar que é capaz de se comunicar neste nível.

 

7- Você tem alguma recomendação, algum alerta a fazer em relação ao tema?

 

Esteja disposto a “apanhar – aprender – avançar”...

 

8- Quais as expressões mais usadas?

 

Balanced ScoreCard – BSC (painel de comando gerencial)


Uma estratégia só faz sentido, se ela for transformada em resultado. Para fazer a ponte entre o plano estratégico e o dia-a-dia da gestão empresarial, é necessário criar um conjunto de metas, indicadores de desempenho e ações mensuráveis e avaliáveis. A metodologia do BSC sugere gerenciar quatro vertentes: Finanças, Cliente, Processo e Aprendizagem. O gestor acaba gerenciando, sozinho ou com a equipe, o desempenho da sua área, unidade ou empresa, como se fosse pilotando no seu cockpit, à frente de um “painel de comando”.


Benchmarking (Comparação com Concorrentes)
Benchmark é uma marca, um recorde ou uma medida de desempenho a ser assimilada e aplicada. Benchmarking é um processo sistemático e contínuo de medida e comparação das práticas de uma organização com as das melhores empresas.


Brainstorming (“toró de palpites”)
Trata-se de uma técnica de reunião “tempestade cerebral” que visa garimpar idéias novas e brilhantes de uma equipe. Em uma reunião de brainstorming, as pessoas não podem ter medo de falar, mesmo que seja uma aparente bobagem. O brainstorming tem três regras básicas: nunca critique uma sugestão, encoraje as idéias bizarras e prefira a quantidade à qualidade. Como em toda reunião, há a necessidade de um líder, que deve zelar para que as regras sejam cumpridas e para garantir um ambiente relaxante e propício ao debate e consenso em torno de novas idéias.


Business Process Management - BPM
O foco é unir a Gestão de Negócio e a Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC), voltado à melhoria dos processos de négocio das organizações, através de práticas para modelar, comunicar, controlar e analisar processos operacionais envolvendo pessoas e aplicações.


Information Technology - IT (Tecnologia de Informação - TI)
IT é o conjunto de todas as atividades e soluções oriundas da designação de recursos tecnológicos e computacionais, para a geração e o uso da informação como base para a tomada de decisões gerenciais. A IT está ancorada nos componentes hardware, software, sistemas de telecomunicações, bem como gestão de dados e informações.


Intrapreneur
É o profissional com perfil de empreendedor, mas atuando dentro da organização, como se ele fosse o dono do seu “botequim”, fomentando propósitos arrojados, inspirando  pessoas e promovendo inovações. Aquele que busca o máximo de espaço para agir, mas que também assume inteira responsabilidade pelas suas decisões e pelos atos do time. Representa hoje o perfil do profissional mais cobiçado e procurado pelas organizações.


SWOT Analysis (Análise de Ponto Forte/Fraco & Oportunidade/Ameaça)
A competitividade de uma organização é analisada sob o aspecto de quatro variáveis: Strengths (forças), Weaknesses (fraquezas) quanto ao ambiente interno, Opportunities (oportunidades) e Threats (ameaças) quanto ao ambiente externo. A conclusão da análise – quanto mais autocrítica melhor! - leva à identificação de ações corretivas e/ou preventivas.


Value Performance Chain – Uma prática de gestão corporativa que rastreia as operações da empresa, visando maximizar a geração de valor para os stakeholders – colaborador, cliente, fornecedor, comunidade e investidor. Trata se de um processo focado em lucratividade contínua, identificando os pontos onde a organização deixa de ganhar (receita) e os pontos onde a organização perde dinheiro (custo). Esta prática é o elemento-chave do Modelo de Gestão Value Based Management – VBM (Gestão Baseada em Valor – GBV).
 

Werner Kugelmeier

 


 

Fale Conosco - WK Prisma

 Tel: +55 (19) 3256-8534 / 98219 2638
    E-mail: clique

    Endereço: Rua Cândido Portinari, 258
    13088-007 Campinas – SP

 

       

                

Blog - WK Prisma 

 

 

Bem-vindo ao blog da WK PRISMA
Educação Corporativa Modular

 

Blog

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Social - WK Prisma Werner Kugelmeier FacebookWerner Kugelmeier - LinkedIn

 


© Copyright 2010, WK PRISMA®. direitos reservados
Produzido por Dinamicsite

A página solicitada não foi encontrada !

Verifique se digitou o endereço corretamente. Se esta página foi indicada por um Sistema de Busca (Google / Yahoo / MSN) este ainda não se atualizou após a remoção da página.

Faça uma Busca Interna com uma da(s) palavra(s) solicitada(s) ou avise-nos.

Obrigado !